Loading...
Loading...

Monday, June 4, 2012

No rescaldo de mais um Rock in Rio, com a adesão record de várias centenas de milhar de pessoas, pergunto-me se não estará na altura de claramente mandar pentear macacos os reclamantes dos museus pagos aos Domingos e dos valores miseráveis mas ainda assim sujeitos a reclamações e pedidos de borlas dos ingressos para os variadíssimos espectáculos culturais da cidade. Querem borlas para o teatro? Vão ali ver se eu lá estou. Tirem um dia de Rock in Rio ou de Sudoeste ou seja lá qual for a vossa praia e vão ao teatro a pagar, que há quem viva da bilheteira. A grande diferença é que infelizmente a ideia que se instalou é que o público, coitadinho, tem direito a ver os seus ídolos internacionais a desgoelarem-se e a coçarem a barriga com uma guitarra no meio. Mas quando chega a altura de qualquer outro tipo de espectáculo, ui, aí é mais do estilo: "Coitadinhos dos actores. Quase não têm público, vou até lá fazer-lhes o favor de gramar aquela xarupada intelectual e bater umas palminhas no fim. Ai deles é que me cobrem bilhete".
Perguntam vocês: Então mas será efectivamente o mesmo público que vai às duas coisas? Eu respondo: Se não é, deveria ser. Que tal dar uma hipótese ao maravilhamento, em deterimento da alianação para variar? Além disso, quase 300.000 pessoas (!!) vão-me dizer que é tudo gente que nunca entrou num teatro? Não é um universo de sondagem suficiente? Quem me dera ter um décimo dessas pessoas numa temporada inteira de uma peça de teatro. Talvez se inaugurássemos o bilhete de teatro-dia. Podiam ver os espectáculos que quisessem e andar por ali nos intervalos, por 60 euros/dia. O Slide é que seria um bocadinho mais difícil...

Saturday, June 2, 2012

De regresso para ressuscitar isto. As redes sociais mataram temporariamente os blogs. Sendo que muitos perceberam que as 1ªs são de facto pobre substituto para os 2ºs. Peço então sinceras desculpas de ter deixado que a actividade de um encobrisse a do outro. Tentarei manter as opiniões long-form aqui. Obrigado e até já a todos.